This site uses cookies. To browse the site you are consenting to their use. Learn more about cookies. close

Portefólio

Minho

Palácio da Brejoeira
Alvarinho e Palácio da Brejoeira são quase sinónimos. É o produtor com mais história e tradição na produção de vinhos desta casta, quase podendo dizer-se que foi por causa dela que o vinho branco Alvarinho se tornou conhecido e tem hoje o estatuto que tem. A Quinta da Brejoeira, situa-se em Monção e é uma propriedade com 30 hectares, dos quais 18 de vinha exclusivamente plantada com Alvarinho. O ex-libris da quinta e da região é o seu palácio, uma grandiosa construção em estilo neoclássico, do final do século Séc. XIX (1806). D. Hermínia Paes presidiu aos destinos desta magnífica propriedade e foi a grande obreira do seu sucesso.
Ver Produtor
Quinta da Calçada
A Quinta da Calçada produz vinhos em Amarante desde 1917. Os 60 ha de vinha própria constituem o encepamento mais antigo da região e permitem à Quinta da Calçada interpretar diferentes Terroirs. Pertença da família Mota, a Quinta está intimamente ligada ao Hotel Casa da Calçada cujo Restaurante foi alvo de atribuição de 1 estrela Michelin.
Ver Produtor
Quinta de Covela
A Quinta da Covela  está localizada na fronteira entre a zona granítica da região dos Vinhos Verdes e a zona de xistos da região do Douro. São 49 ha de Quinta, dos quais 18 ha são destinados à produção de uvas para vinificação. Datada do Séc. XVI, a Casa da Covela, formada pelas ruinas do solar renascentista, os lagares e a capela, que testemunha a presença multisecular da produção de vinho e a importância histórica da quinta. Manoel de Oliveira já foi o proprietário até aos anos 90 ter sido novamente adquirida. Nesta Quinta pratica-se a agricultura biológica e na adega não se utilizam leveduras, sendo as fermentações espontâneas.
Ver Produtor
Dom Ponciano
No século XIX, os pais de Ponciano de Abreu começaram a produzir Vinho Alvarinho nas suas propriedades situadas nas encostas de Paderne, em Melgaço, na zona Noroeste de Portugal.

Para além de consumo próprio, o vinho servia para pagarem favores aos médicos e advogados e até as contas da botica. As condições excepcionais do solo, clima e exposição solar, repercutiam-se na qualidade do vinho, que começou a ganhar fama na região.

No primeiro quartel do século XX, Ponciano de Abreu decidiu relançar o cultivo dos seus vinhedos, tendo sido um dos pioneiros na produção do Alvarinho, já enquadrada pela legislação da então recém-criada Região Demarcada dos Vinhos Verdes.

Já no início do século XXI, Rui Esteves, neto de Ponciano, retomou o projecto de uma forma profissional, tendo decidido passar a comercializar o seu Vinho Verde Alvarinho com a marca "DOM PONCIANO", de acordo com as estritas normas vigentes para os Alvarinhos produzidos na Sub-região de Monção e Melgaço.
Ver Produtor
Imagem Principal 1
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo
Catalogo